CANAL DE PERÍCIA

MÍDIA - EDUCAÇÃO - COMUNIDADE 

Por meio deste portal, o Canal de Perícia disponibiliza informações completas sobre perícia e investigação forense, 24 por dia. Resumos de pesquisas, atualidades, breaking news, concursos, legislação e muito mais, podem ser encontrados a todo instante nas mídias sociais. 

Menu

Cursos

Outros

2011-2020 © Canal de Perícia Todos os direitos reservados.

  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook Social Icon

Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1461 - Jardim Paulistano 
São Paulo - CEP 01452-002

 

Confeitaria macabra

A Confeiteira Annabel De Vetten cria bolos que podem ser considerados os mais fantásticos, e mórbidos, do mundo. Seu estúdio, e espaço para cozinhar, fica em Birmingham, na Inglaterra, é chamado de Conjurer's Kitchen, algo como “A cozinha do Ilusionista”, em tradução livre, e está cheio de doces em formatos macabros, representados com perfeição.


Criação de Annabel De Vetten, a ilusionista da confeitaria

Entre eles você pode encontrar um prato cheio de vermes e larvas do tamanho do polegar. Há, também, um coração humano ensanguentado em uma poça de lodo verde e cheio de molares. Uma mesa do médico legista de aço inoxidável hospeda o torso superior de um cadáver desgrenhado. É ladeado por uma estátua de quatro metros de um santo, seu rosto derretendo até os ossos. No balcão, o pescoço da cabeça parcialmente sem carne de um cervo afunda suas raízes em um vaso de flores quebrado, e uma muda rompe seu crânio, como um chifre de unicórnio.


E os bolos de casamento? Essas obras de arte em camadas parecem com algo que você esperaria que saísse da cozinha da Mortícia Adams - ou da mente do cineasta Guillermo Del Toro.

"Algumas pessoas recuam quando veem minhas delícias diabólicas", diz De Vetten, "Mas uma vez que provaram um intestino de limão ou mastigaram um globo ocular de chocolate branco, eles sempre querem mais."


Ela faz com que seus bolos e confeitos pareçam pinturas clássicas de horror.

Em todo o mundo, o número de pessoas interessadas em esquisitices tem aumentado, e as criações obscuras de De Vetten lhe renderam uma clientela repleta de estrelas, e o apelido de "Annabel Lecter", em referência ao clássico “Hannibal – Canibal”. Clientes recentes incluem o escritor Neil Gaiman e Bryan Fuller, escritor-produtor de séries de TV fora do comum, como Hannibal e American Gods.

“Eu me considero uma das mulheres mais sortudas do mundo”, diz De Vetten com uma risada. “Eu sou aquela que as pessoas chamam quando querem algo fora do comum e fantasticamente estranho. Eu passo meus dias entre olhos e sangue!”


Detalhe para o anel, nesse bolo de casamento vitoriano!

Ela chegou a gastar uma semana assando um enorme bolo de quatro camadas, adornado com um coração humano e chifres de veado de chocolate, para celebrar a última temporada de Hannibal. Seu próximo trabalho será a elaboração de dezenas de guerreiros de terracota historicamente precisos, feitos com massa de pizza, para uma cadeia de restaurantes de Pequim. Depois vem um dragão comestível do tamanho de uma pessoa para um casamento no Castelo de Warwick. Depois disso, serão chocolates para um evento no Morbid Anatomy Museum, de Nova York, e também para um episódio de Ripley´s Believe It or Not (algo como o programa “Acredite se quiser”).




Apesar de todas as suas misturas comestíveis e deliciosas, De Vetten tornou-se confeiteira por acidente. Sua carreira artística começou com escultura na faculdade, o que incluiu um corpo esculpido. Na sua pós-graduação, trabalhou como pintora de artes plásticas em tempo integral e, ocasionalmente, ajudava com os efeitos especiais para filmes de terror. Ela assumiu a taxidermia como hobby nos anos 2000.


Sua incursão nas artes culinárias, no entanto, começou em seu próprio casamento, quando ela e o mágico Thom Peterson se casaram em 2010. Para economizar dinheiro, a própria noiva cozinhou um bolo com tema de bruxa encimado por uma mulher levitando. Os convidados ficaram surpresos e perguntaram onde eles poderiam encomendar um igual. De Vetten se divertiu. Ela criou uma página no Facebook e começou a fazer bolos para amigos e familiares. Um de seus primeiros trabalhos foi um cisne muito realista: sua cabeça, lindamente emplumada, com seu corpo esfolado, e grotescamente sangrento. Fotos on-line levaram a milhares de curtidas e inúmeros pedidos. O negócio cresceu, e se transformou em um emprego em tempo integral, realizado essencialmente durante a noite.


Parte do bolo feito para o seriado "Dexter" que rendeu fama à Annabel De Vetten

Em 2013, a FOX contratou De Vetten para criar um bolo em tamanho real, representando Michael C. Hall, o líder de sua série de sucesso Dexter, deitado em um caixão. A peça tinha 1,50 m de comprimento e levou mais de 100 horas para ser feita. A conclusão exigiu 20 laranjas de sangue (aquelas vermelhas), 240 ovos, 25 quilos de farinha, 20 quilos de açúcar e 15 quilos de manteiga. De acordo com a guru do London Journal, Emma Thomas, conhecida como Miss Cakehead, seu sucesso viral consolidou a posição de De Vetten como "a maior produtora mundial de bolos e doces estranhos".


De Vetten convida regularmente os clientes para conhecer a Cozinha do Ilusionista, que não é aberta ao público. Em virtude de seu sucesso na indústria cinematográfica e televisiva, ela está em vias de se mudar para Los Angeles, onde, segundo De Vetten, ela também espera abrir uma loja. Então, se você gostaria de ver um cardápio completo das criações culinárias de Annabel Lecter, em breve, você poderá ter sorte.


Mas nem todo mundo é fã de suas produções macabras. As criações de De Vetten - particularmente uma de suas obras composta por de cabeças de bebês mortos, em tamanho real e feitas de chocolate branco, geraram muitas críticas negativas. Mas ela rejeita esses julgamentos, e diz que seu trabalho é para uma boa causa.


O apelido de Annabel De Vetten é “Annabel Lecter.” Foto de SHARON COOPER

"As pessoas me perguntam o tempo todo: 'Por que você escolheu fazer coisas tão estranhas e sombrias?' E a resposta é bem simples: para mim seria estranho não fazer”, ri De Vetten. Ela diz que a mortalidade é, e sempre será, um assunto de infinito fascínio. “A morte é um fato da vida. É um tema artístico primário. Para mim, eu prefiro abordar esse tema com alguma leveza. Eu gosto do escuro e do mórbido, mas eu quero um pouco de humor para acompanhar. E se, a essa altura, eu começasse a fazer bolos cor-de-rosa, bem femininos e com flores? Meus amigos e familiares provavelmente ficariam preocupados!”.

392 visualizações