Psicologia Forense - O índice da maldade

Como a maldade evolui, até criar um serial killer? Como saber quando um assassinato é um ato isolado de fúria, ou se trata de comportamento contumaz de crueldade?

Se nem todos os assassinos são psicopatas, e nem todos os psicopatas matam, como identificar os sinais que transformam uma pessoa com esse transtorno mental em um criminoso?


Para tentar responder essas, e outras, questões, o psiquiatra forense Michael Stone, da Universidade de Colúmbia, nos EUA, criou um índice que mede a maldade de pessoas que cometeram assassinatos. Esse índice, que vai de 1 a 22, avalia três pontos: o motivo, o método e a crueldade. A maldade aumenta conforme crescem a futilidade do motivo, o sadismo e a violência do método, e agravantes da crueldade, como perversão sexual, número de vítimas, tempo em atividade e tortura.


Conheça agora esse índice, que descreve as categorias do eixo do mal, onde frieza, mentira, falta de remorso, e muito sangue, fazem parte do comportamento dos criminosos mais assustadores da história.


1. Pessoas que matam em defesa própria:

Cometem algum homicídio apenas para se defender.


2. Parceiros que matam motivados por ciúmes:

Para casos de crimes passionais que acontecem uma só vez.


3. Indivíduos manipuladores que matam, e instigam outros a matar em seu nome, com a justificativa de autodefesa:

Pessoas com um forte distúrbio de personalidade limítrofe que matam com a desculpa de autodefesa baseada em fatos distorcidos.


4. Pessoas que matam em defesa própria, mas que provocam seu agressor ao limite:

Provocam outra pessoa até serem agredidos e depois a matam sob o pretexto de autodefesa.


5. Pessoas traumatizadas e desesperadas que matam, mas se arrependem:

Pessoa que mata movida por experiências traumáticas. Após o crime, sente remorso.


6. Assassinos impetuosos, mas que não são psicopatas:

Matam com violência elevada, mas não possuem nenhum tipo de comportamento psicopata.


7. Pessoas extremamente narcisistas que matam movidas por ciúmes:

Indivíduos que criam uma fantasia passional e que geralmente sinalizam que irão surtar.


8. Indivíduo não psicopata com raiva reprimida que mata quando atinge um extremo:

Tem traços de depressão e mata após uma descarga de estresse.


A partir do nível 9, a crueldade já dá indícios claros de psicopatia recorrente, e que só vai aumentando.


Elisabeth Anne "Betty" Broderick - Na época do crime e em 1991, durante seu julgamento

9. Criminosos passionais com traços de psicopatia

Pessoas movidas por sentimentos de raiva e vingança.

EXEMPLO BETTY BRODERICK, socialite californiana, San Diego, Califórnia, novembro de 1989.

O marido de Betty, Dan Broderick, se separou e casou com outra mulher, Linda Kolkena. Betty não aguentou a rejeição e tornou a vida do casal um inferno. Após diversos ataques de ciúmes, Betty invadiu a casa do ex-marido e matou ambos a tiros enquanto dormiam. Betty Broderick foi condenada a 32 anos de prisão.


10. Não psicopatas que matam pessoas que são obstáculos para um objetivo:

Esses indivíduos constroem mentalmente um cenário no qual as pessoas a sua volta tornam-se inimigos.

EXEMPLO JOHN LIST, pai de família e veterano da 2ª Guerra, Westfield, Nova Jersey, novembro de 1971

Com a justificativa de que não conseguiria mais sustentar a sua família, John List voltou sua fúria contra os familiares e passou a odiá-los. John assassinou a mãe, a esposa e três filhos de maneira metódica e planejada. Fugiu para o estado do Colorado onde foi reconhecido e preso. Condenado a cinco prisões perpétuas, morreu de pneumonia na prisão, em março de 2008.


11. Psicopatas que matam pessoas que são obstáculos para um objetivo:

Do nível 10 para o 11, um detalhe faz toda a diferença: os criminosos grau 11 já são psicopatas.

EXEMPLO ROBERT CHAMBERS, alcoólatra com problemas de aprendizado e cleptomania, Nova York, agosto de 1986

Chambers roubava sempre sob efeito de drogas e álcool. Bonito, gostava de enganar as mulheres com quem se relacionava. Após ser descoberto por Jennifer Levin, enquanto roubava dinheiro de sua bolsa, Chambers a estrangulou e a atacou sexualmente. Depois de 15 anos de sentença, foi solto em 2003.


12. Psicopatas com sede de poder que matam quando se sentem ameaçados:

Deste nível para cima, a quantidade de vítimas começa a aumentar. São indivíduos megalomaníacos, que fazem o possível para manter o controle da situação, quando sentem que sua posição está ameaçada.

EXEMPLO JIM JONES, fundador e líder de seita, Guianas, novembro de 1978

Depois de fundar dois templos religiosos, Jim Jones montou uma comunidade na Guiana. Quando perdeu o apoio de alguns dos políticos, envenenou mais de 900 pessoas, incluindo crianças. Jones acabou se suicidando junto com seu grupo.


13. Assassinos psicopatas que matam motivados pela raiva:

São psicopatas egocêntricos, que agem violentamente quando explodem, sem sentir um pingo de remorso por suas vítimas.

EXEMPLO RICHARD SPECK, marinheiro, Chicago, julho de 1966

Após se embebedar em uma taverna, Richard estuprou uma mulher e se encaminhou para um dormitório de estudantes. Lá, sequestrou e manteve reféns oito estudantes de enfermagem – todas mortas por estrangulamento ou facadas. Richard foi condenado à prisão perpétua e morreu de ataque cardíaco, ainda preso, em 1991.


Sante Kimes e seu filho, Kenneth "Kenny" Kimes

14. Psicopatas frios e egocêntricos que matam em benefício próprio

EXEMPLO SANTE KIMES, golpista, Nassau (Bahamas), Los Angeles e Nova York, de setembro de 1996 a junho de 1998

Sante, e seu filho Kenny, davam golpes para acumular dinheiro e propriedades antes de começar a matar. A primeira morte foi a de um banqueiro indiano em Nassau que recusou aprovar um financiamento. Ele foi drogado, afogado em sua banheira e teve seu corpo jogado ao mar. Os golpistas são suspeitos do desaparecimento de pelo menos mais três pessoas, e a morte, confirmada, de outra. Kimes e seu filho cumprem prisão perpétua em Nova York.


15. Ataques de psicopatia ou múltiplos assassinatos

Psicopatas que matam, pela primeira vez, em um ataque de fúria e que, depois disso, ficam com vontade de matar novamente.

EXEMPLO CHARLES STARKWEATHER, viajante, Estados de Nebraska e Wyoming, nos EUA, entre dezembro de 1957 e janeiro de 1958

Depois de matar um rapaz de 21 anos com um tiro de espingarda à queima-roupa e não ser pego, Charles, em uma discussão violenta com a família de sua namorada, Caril Fugate, matou os pais e a irmã dela. O casal fugiu e fez mais seis vítimas no caminho, todas com mortes violentas, estrangulamentos, tiros e facadas. Starkweather foi executado. Caril, condenada à perpétua, saiu depois de 17 anos.


16. Psicopatas que cometem atos com requinte de violência, em intervalos longos

EXEMPLO DR. MICHAEL SWANGO, médico, EUA e Zimbábue, de 1983 a 1997

O Dr. Swango ficou conhecido pelo grande número de assassinatos, sem ser pego, e pelas mudanças constantes na região de atuação. Ele se formou em medicina em 1983 e, durante a residência, suspeitava-se que injetava substâncias desconhecidas nos pacientes. Temendo ser processado, Michael mudou de hospital e continuou suas atividades. Tinha uma fascinação mórbida por vítimas de acidentes graves. Acabou preso e condenado à prisão perpétua.


17. Assassinos seriais com perversões sexuais

EXEMPLO TED BUNDY, psicólogo, seis estados norte-americanos, entre 1974 a 1978

Ted era atraente, ambicioso e confiante. Gostava de garotas de cabelos pretos e longos, no mínimo até os ombros. Sequestrou e estuprou mulheres em diversas cidades norte-americanas e foi capturado em Utah, dirigindo alcoolizado com algemas, calcinhas e meias femininas, que usava como máscara no rosto. Bundy escapou e foi preso meses depois, na Flórida. Condenado à morte e executado em 1989, confessou, minutos antes da execução, ter matado 30 mulheres. Falaremos mais sobre esse criminoso em uma matéria específica, pois seus crimes foram retratados em uma série da Netflix, em 2019.


18. Assassinos torturadores

EXEMPLO JEROME BRUDOS, técnico em eletrônica, Oregon, EUA, entre 1968 a 1969

Brudos sempre torturava suas vítimas antes de matar. Desde criança foi maltratado pela mãe e desenvolveu uma fascinação erótica por sapatos femininos. Na maioria das vezes, Jerome capturava suas vítimas com um golpe forte na cabeça ou as estrangulava até perderem a consciência. A esposa de Brudos, com quem ele tinha dois filhos, achou fotos de seu marido com mulheres espetadas em ganchos como se fossem bonecas. Jerome foi preso, pegou prisão perpétua e morreu de câncer em 2006.


19. Psicopatas levados ao terrorismo, subjugação, intimidação e estupro sem assassinato

EXEMPLO GARY KRIST, ladrão e sequestrador, Atlanta, EUA, dezembro de 1968

Krist começou a roubar aos 14 anos. Em 1968, ele e a namorada sequestraram a filha de um milionário em Atlanta, e fugiram com o dinheiro do resgate. Através de um telefonema, a polícia descobriu o paradeiro da menina, enterrada em uma caixa ainda viva, e o casal foi capturado. Gary Krist foi condenado à prisão perpétua em 1969 e libertado sob condicional após dez anos. Sua namorada, Ruth Eisemann Schier , foi deportada para Honduras, seu país de origem, depois de cumprir sete anos de prisão nos Estados Unidos.


20. Assassinos que têm tortura como motivo principal

A partir do nível 20, o indivíduo é considerado doente, e não é responsável por suas ações.

EXEMPLO JOSEPH KALLINGER, torturador e incendiário, Baltimore, Maryland e Nova Jersey, EUA, de julho de 1974 a janeiro de 1975

Internado em várias instituições mentais, Kallinger era violento com os filhos, chegando a matar um deles, e tentou incendiar a própria casa três vezes. Em 1974, arranjou um cúmplice: seu filho Michael e, juntos, roubaram, espancaram e torturaram quatro famílias, além de matarem uma enfermeira em 1975. Descoberto, Kallinger pegou prisão perpétua e morreu em um ataque epilético.


21. Psicopatas que não matam suas vítimas, mas as colocam sob tortura extrema

EXEMPLO CAMERON HOOKER Sequestrador e maníaco sexual, Califórnia, EUA, entre 1977 e 1984

Hooker era casado com Janice, com quem tinha um acordo sinistro: ele poderia ter uma escrava, com quem não teria relações sexuais, mas poderia fazer o que quisesse com ela. O casal sequestrou Colleen Stan, uma garota de 23 anos, que foi mantida em uma caixa fechada debaixo da cama deles, 22 horas por dia, durante sete anos. Janice entregou o marido à polícia quando percebeu que poderia ser trocada pela “escrava”. Hooker foi condenado a 104 anos de cadeia, já sua esposa sequer foi julgada. Janice testemunhou contra o marido em troca de imunidade total.


22. Psicopatas que colocam vítimas sob tortura extrema por um longo período e depois matam

EXEMPLO DENNIS RADER, o “Assassino BTK” (sigla em inglês para “amarra, tortura e mata”), Kansas, EUA, entre 1974 e 1991

Em 1974, Dennis Rader sufocou um casal com sacos plásticos e depois estrangulou os filhos deles. Em seguida invadiu uma casa e atacou dois irmãos. O menino escapou, mas a garota foi morta por estrangulamento e facadas. Mais mulheres foram estranguladas, e Rader mandou cartas e objetos pessoais de suas vítimas para a polícia – numa dessas, deixou as digitais e foi preso. Ele foi condenado a dez prisões perpétuas.


Esta matéria foi extraída da reportagem “O MUNDO SOMBRIO DOS PSICOPATAS” – Revista Superinteressante – agosto/2016.

0 visualização

CANAL DE PERÍCIA

MÍDIA - EDUCAÇÃO - COMUNIDADE 

Por meio deste portal, o Canal de Perícia disponibiliza informações completas sobre perícia e investigação forense, 24 por dia. Resumos de pesquisas, atualidades, breaking news, concursos, legislação e muito mais, podem ser encontrados a todo instante nas mídias sociais. 

Menu

Cursos

Outros

2011-2020 © Canal de Perícia Todos os direitos reservados.

  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook Social Icon

Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1461 - Jardim Paulistano 
São Paulo - CEP 01452-002