Como a ciência forense pode ajudar a desvendar os mistérios da evolução humana


As pessoas são fascinadas pelo uso da ciência forense para solucionar crimes. E qualquer ciência pode ser forense, desde que usada no sistema de justiça, criminal e civil. Biologia, genética e química já foram aplicadas dessa maneira.


Agora, algo bastante especial está acontecendo: o conjunto de habilidades científicas desenvolvido durante a investigação de cenas de crimes, homicídios e mortes em massa, está sendo usado ​​fora do tribunal. E isso está acontecendo no campo da antropologia forense.


Antropologia forense é a análise de restos humanos com o propósito de estabelecer a identidade de indivíduos, vivos ou mortos. No caso dos mortos, isso geralmente se concentra nas análises do esqueleto, mas toda e qualquer parte do corpo físico pode ser analisada. O antropólogo forense é especialista em avaliar o sexo biológico, a idade no momento da morte, a altura, e até mesmo a afinidade ancestral do esqueleto.


Uma pesquisa recente, publicada no Journal of Archaeological Science, ampliou o alcance da ciência forense do tempo presente, para a pré-história. No estudo são aplicadas técnicas comuns de antropologia forense para investigar o sexo biológico de artistas que viveram muito antes da invenção da palavra escrita, e que produziram diversos desenhos rupestres.


Cueva de las manos - Caverna das Mãos - Perito Moreno - Província de Santa Cruz - Argentina

O estudo se concentra, especificamente, naqueles que produziram um tipo de arte conhecido como estêncil de mão. A biometria forense é aplicada para produzir resultados robustos que, esperamos, compensarão alguns dos problemas que os pesquisadores arqueológicos encontraram ao lidar com essa forma de arte antiga.

Esses estêncis de mão foram feitos soprando, cuspindo ou pontilhando pigmento em uma mão encostada contra a superfície de uma rocha, e são frequentemente encontrados ao lado de arte rupestre pictórica criada durante um período conhecido como o Paleolítico Superior, que começou cerca de 40 000 anos atrás.


A presença de uma mão humana cria uma conexão direta e física com um artista que viveu milênios atrás. Até agora, os pesquisadores se concentraram em estudar o tamanho das mãos e o comprimento dos dedos para abordar o sexo do artista. O tamanho e a forma da mão são influenciados pelo sexo biológico, uma vez que os hormônios sexuais determinam o comprimento relativo dos dedos durante o desenvolvimento, conhecidos como relações 2D: 4D.


Produção experimental de um estêncil de mão - Jason Hall, University of Liverpool

Mas muitos estudos baseados na arte rupestre geralmente têm sido difíceis de replicar. Eles costumam produzir resultados conflitantes. O problema com o foco no tamanho da mão e no comprimento dos dedos é que duas mãos, de formas diferentes, podem ter dimensões e proporções lineares idênticas. Para superar isso, tem sido adotada uma abordagem baseada em princípios biométricos forenses. Isso promete ser estatisticamente mais robusto e mais aberto à replicação entre pesquisadores, em diferentes partes do mundo.


Tudo isso mostra a sinergia que surge quando as ciências paleontológicas, arqueológicas e forenses são reunidas, para promover a compreensão humana do passado.


Publicação extraída da revista Elsevier SciTech Conect.

272 visualizações

CANAL DE PERÍCIA

MÍDIA - EDUCAÇÃO - COMUNIDADE 

Por meio deste portal, o Canal de Perícia disponibiliza informações completas sobre perícia e investigação forense, 24 por dia. Resumos de pesquisas, atualidades, breaking news, concursos, legislação e muito mais, podem ser encontrados a todo instante nas mídias sociais. 

Menu

Cursos

Outros

2011-2020 © Canal de Perícia Todos os direitos reservados.

  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook Social Icon

Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1461 - Jardim Paulistano 
São Paulo - CEP 01452-002