Atiradores em massa... por que?

Na última terça-feira, 11/12, Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, abriu fogo dentro da Catedral Metropolitana de Campinas, no interior de São Paulo, atingindo oito pessoas que estavam rezando após a missa, por volta das 13 horas. Quatro delas morreram no local, e as outras foram socorridas. Segundo a polícia, agentes entraram na igreja e dispararam contra o homem. Ele, então, teria caído no chão e atirado contra a própria cabeça.


Johnny Depp, em "Assassinato no Expresso Oriente"

Segundo o delegado José Henrique Ventura, diretor do Departamento de Polícia Judiciária do Interior, na região de Campinas, Grandolpho era de Valinhos, e não tinha antecedentes criminais.


É difícil, talvez impossível, estabelecer exatamente o que o teria levado a cometer o terrível crime. Contudo, estudos forenses estabeleceram que criminosos que agem dessa forma, possuem certas características em comum. Vamos ver isso.


Meninos envolvidos em tiroteios em escolas, muitas vezes lutam para viver de acordo com o que eles percebem como os ideais da escola em torno da masculinidade. Essa condição foi constatada numa pesquisa publicada no jornal Gender Issues the Springer. Foram investigadas as #características compartilhadas por 31 meninos envolvidos em 29 tiroteios em massa nas escolas americanas entre 1995 e 2015. A pesquisa concluiu que quando socialmente evitados, na escola, eles desenvolvem #rancores profundos contra seus colegas de classe e professores. Ficam cada vez mais irritados, deprimidos e #violentos em suas práticas de gênero. “Atirar é a sua melhor alternativa”, diz Kathryn Farr, da Universidade Estadual de Portland, nos Estados Unidos.


A questão é a seguinte: é possível transportar as conclusões acerca dos “meninos atiradores” para quaisquer atiradores? Bem, acreditamos que genericamente, sim; atiradores, como o de Campinas, por exemplo, de alguma forma, sentem-se oprimidos por situações do dia a dia e, essa sensação, por alguma razão, é intensificada em sua mente. E dessa forma, como numa ficção, eles próprios criam as razões para justificar a consecução das terríveis barbáries.


Como prever esse tipo de situação? Como olhar para uma pessoa, desconhecida, e desconfiar que ela pode estar próxima de cometer um crime com essas características? Muito difícil.





23 visualizações

CANAL DE PERÍCIA

MÍDIA - EDUCAÇÃO - COMUNIDADE 

Por meio deste portal, o Canal de Perícia disponibiliza informações completas sobre perícia e investigação forense, 24 por dia. Resumos de pesquisas, atualidades, breaking news, concursos, legislação e muito mais, podem ser encontrados a todo instante nas mídias sociais. 

Menu

Cursos

Outros

2011-2020 © Canal de Perícia Todos os direitos reservados.

  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook Social Icon

Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1461 - Jardim Paulistano 
São Paulo - CEP 01452-002